sábado, 19 de Janeiro de 2013

Como surgiu o apelido de ``Porco´´ para o Palmeiras.

O Palestra Italia ( sem acento, como na lingua pátria ) foi fundado em 1914 , e naquele tempo os imigrantes sofriam os mesmos preconceitos que os migrantes sofreriam e sofrem até hoje em São Paulo ( sobretudo os Nordestinos ).

A migração de regiões do país para São Paulo , começou acontecer a partir da grande seca no Nordeste nos anos 30, e essa mão de obra de certa forma veio para suprir a dos imigrantes japoneses , italianos, lituanos, portugueses e de todas as outras origens, que conseguiram se estabelecer na grande cidade desde o final dos século XIX (alguns mais,outros menos) .

Os humildes italianos logo em seus primeiros tempos de lavoura no interior de SP,já eram chamados de Carcamanos e Porcos . A coisa se  trasferiu para a cidade no estabelecimento nas fábricas e comércios dos imigrantes que sairam da agricultura nas cidades do interior do estado.Naturalmente os palestrinos seriam assim chamados, com profundo preconceito da elite.Vale lembrar que nos anos 10 e 20 o futebol era praticado sobretudo por clubes de elite, sendo o Palestra Itália e o Corinthians os grandes contestadores destas ordens oligárquicas do futebol,  fazendo até o Paulistano desistir do futebol em 1929, por não concordar com a popularização do esporte.

O jeito informal dos italianos, que às vezes arrotavam em público e que nas inúmeras festas não se faziam de rogado e pegavam os alimentos com as mão, fizeram os QUATROCENTÕES os chamarem pelo ``apelido´´ de porcos . As pessoas de outras colônias se aproveitavam disso e em tom de provocação também usavam a tal alcunha , para se referir aos italianos de São Paulo e para os filiados aos clubes da colônia , como foi o Palestra.

A coisa se agravou em 1942, quando o Brasil declarou guerra as potências do ``EIXO´´ , da qual a itália de Mussolini fazia parte.

O Palestra virou Palmeiras, mas continuou sendo chamado de `` time dos porcos italianos ´´.

As décadas se passaram e os italianos , descendentes e brasileiros identificados com o alviverde paulistano, eram em ocasiões diversas ofendidos com o apelido, ás vezes levado na brincadeira, ás vezes não.

Em 1969 corinthianos levaram a um clássico com o Palmeiras um ``porquinho´´ como forma de provocação , revivendo o apelido, que a partir de então não parou mais de ser dito, como forma de insulto por sãopaulinos , santistas, lusos e coritnthianos , aos palmeirenses.

No final da década de 60 às torcidas uniformizadas ( existentes desde os anos 40 ) começaram a  tornar-se ``organizadas´´, sendo fundada pelo menos 2 grandes em São Paulo, a Gaviões da Fiel em 1969 e a TUP em 1970...rivalidade que mesmo em alguns momentos quentes se afloraram, não era nem de longe a barbaridade que é hoje em dia .As brigas , só seriam constatadas de fato a partir dos anos 80, quando a Mancha Verde foi fundada para defender os torcedores de agreções que começavam a ser físicas e não mais verbais.Tudo foi uma consequência de brigas que já existiam antes da Mancha Verde; porém os alviverdes organizados resolveram não deixar quieto as agressões e começaram a revidar.

Mas no que tange o ``apelido´´ de porco esse foi anexado nos anos 80 , de forma inteligente pelos organizados e pelos torcedores comuns, que assim começaram a assumir a alcunha, transformando o suino em uma mascote do clube esmeraldino.


Jorginho Putinatti,o maior jogador do Palmeiras nos anos 80.
Foto histórica da Placar, com Jorginho nos anos 80, assumindo o apelido de ``Porco´´.


O famoso grito de ``OLÊ , PORCO ´´ , porém, só seria dito nas arquibancadas do Parque Antárctica, no começo dos anos 90, quando o apelido passou praticamente a ser enterrado, pois os adversários não gostariam de gritar nos estádios o nome do novo mascote do clube palmeirense, ou seja, os cantigos  de porco, que eram gritados pelas torcidas adversárias nos anos 70 e 80, passaram a não ser mais nos anos 90, quando ele passou a ser gritado pelos proprios palmeirenses, em uma tacada de marketing incrível, que reverteu um fator histórico  negativo em positivo .


.


.







Sem comentários:

Enviar um comentário